Terço dos Homens

Os grupos do Terço dos Homens, que têm crescido muito nos últimos anos, mostram que a devoção a Nossa Senhora não é só para as mulheres. Basta recordarmos que o Santo Rosário foi revelado pela Virgem Maria a um homem: São Domingos de Gusmão, que foi o grande propagador desta devoção mariana na Igreja. Outros grandes homens foram propagadores desta devoção, como o Papa Leão XIII, que escreveu 26 Encíclicas sobre o Santo Rosário, e São João Paulo II, autor da magnífica Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae, que incluiu a meditação dos Mistérios da Luz ao Rosário. Por todo mundo, um número cada vez maior de comunidades tem incorporado o Terço dos Homens em suas atividades pastorais. Além disso, aumenta cada vez mais o número de homens que tomam a decisão de se reunir para rezar o Terço, uma vez por semana, às vezes até mesmo diariamente, em família ou ainda sozinhos.

A origem do Terço dos Homens a nível mundial é desconhecida. No exterior, “há notícias de tais grupos ao menos desde 1912”. No Brasil, o Terço dos Homens foi fundado pelo Frei Peregrino, no dia 8 de Setembro de 1936, no povoado Vila da Providência, hoje cidade de Itabi, no estado de Sergipe. No Movimento de Schoenstatt, o Terço dos Homens começou a partir da iniciativa de um pequeno grupo de homens, que rezavam o terço na rua, enquanto suas esposas participavam das reuniões. Pouco tempo depois, sob a orientação do Padre Américo Vasconcelos, salesiano, e pelo zelo de Oneida Araújo da Silva, surgiu em 5 de Março de 1997 o primeiro grupo do Terço dos Homens a nível paroquial, na capela de Nossa Senhora do Livramento, hoje transformada em Santuário Paroquial, em Jaboatão dos Guararapes (PE). Algum tempo depois, o Padre José Pontes conheceu a realidade desta paróquia, onde um grupo de homens rezava o terço. O Sacerdote achou a iniciativa interessante e experimentou-a no Santuário da Nova Evangelização, em Olinda. Foi então que o Terço dos Homens teve a sua grande valorização, integrando-se na fecundidade do Santuário e na força do Movimento da Mãe Rainha. O Padre Miguel Lencastre, falecido a 13 de janeiro de 2014, também foi um dos grandes incentivadores do Terço dos Homens. O Presbítero teve a iniciativa de criar a sigla THMR (Terço dos Homens Mãe Rainha), identificando em seus grupos as particularidades do Movimento de Schoenstatt.

Os grupos do Terço dos Homens continuam crescendo por todo país, aqueles do Movimento da Mãe Rainha e de muitas outras iniciativas independentes. Esta devoção mariana se tornou tão visível na Igreja e os seus frutos de conversão e de santificação tão abundantes, que levou Dom Gil Antônio Moreira a tomar uma decisão: “pessoalmente me interessei em apoiar todos os grupos, certo que estou do grande valor evangelizador e santificador de tal devoção”. A partir de 2008, começaram as romarias do Terço dos Homens ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, que deram um extraordinário impulso ao movimento, com muitas outras iniciativas por todo o Brasil. Pouco tempo depois, o então Padre Darcy Niccioli, Reitor do Santuário, atual Bispo Auxiliar de Aparecida, sugeriu aos romeiros do Terço dos Homens solicitar à presidência da CNBB, a nomeação de Dom Gil como Bispo Referencial para o Terço dos Homens em nível nacional. O pedido foi prontamente acolhido pelo então Presidente, Dom Geraldo Lyrio Rocha, que o nomeou para esta missão.

Desde então, Dom Gil tem procurado fazer com que a oração do Terço dos Homens seja um “momento de contemplação dos Mistérios de Cristo, associado ao louvor e à súplica a Maria, e ainda oportunidade de maior engajamento dos homens do Terço na vida litúrgica e pastoral de suas paróquias ou comunidades”. A eficácia deste movimento se reflete no “interesse de muitos grupos no sentido de voltarem suas atenções para os pobres, realizando verdadeira obra social, caritativa e promocional, o que tem aliviado o padecimento de muitos irmãos empobrecidos e sofredores, vencendo, como podem, as situações de exclusão social”. O Terço dos Homens tem se mostrado também como força de transformação de vida, de verdadeiras conversões. Homens que antes estavam em maus caminhos ou frios na fé, ao começar a frequentar um grupo de Terço, têm mudado de vida e se libertado de situações degradantes, próprias de quem vive longe de Deus.

Na maioria das reuniões do Terço dos Homens não há nada mais que a simples oração do Terço. Não há palestras, ou a celebração da Santa Missa, mas somente a oração do Rosário. Em alguns grupos mais organizados acrescenta-se a música e a contemplação dos mistérios enriquecida pela reflexão bíblica. Apesar da simplicidade desta oração mariana, acontecem verdadeiras transformações radicais de vida: “homens abandonam seus vícios, abandonam a pornografia, o adultério, as falsas religiões, as seitas secretas e as práticas ilícitas; passam a ser mais presentes, atentos e carinhosos em casa”.

Assim, reconhecemos pelos seus frutos que o Terço dos Homens é uma iniciativa de Deus e da Virgem Maria, que através da simplicidade desta oração mariana transformam a vida de tantos homens e também de suas famílias. Não poderia ser diferente, pois, como ensina o Papa Bento XVI, “o Rosário é oração contemplativa acessível a todos: grandes e pequenos, leigos e clérigos, doutos e pouco instruídos”. O Terço nos une espiritualmente com Maria, para permanecermos unidos a Jesus, para estarmos com Ele, para conhecer os seus sentimentos e para nos comportarmos como Ele se comportava. “O rosário é uma ‘arma’ espiritual na luta contra o mal, contra toda a violência, para a paz nos corações, nas famílias, na sociedade e no mundo”. Na certeza de que o Terço dos Homens é uma devoção mariana maravilhosa e eficaz, incentivemos os grupos existentes e ajudemos a criação de novos grupos, da maneira que o Espírito Santo nos inspirar, especialmente através da oração. Nossa Senhora do Rosário, rogai por nós!

fonte : Canção Nova